A reagendar...

Quinta-feira | 21h45 | Cine-Teatro Garrett
Sessão #1505

Título original: Tristeza e Alegria na Vida das Girafas

De: Tiago Guedes
Com: Gonçalo Waddington, Miguel Guilherme, Miguel Borges, Maria Abreu
Género: Aventura
Classificação: M/14
Outros dados: POR, 2019, 109 min.


SINOPSE
Uma menina de 10 anos atravessa a cidade de Lisboa em busca da única pessoa que pode ajudá-la: o primeiro ministro. É uma viagem de fantasia através da voz de uma criança que empreende a tarefa enciclopédica de tentar explicar o mundo. 

Adaptação da peça de teatro homónima de Tiago Rodrigues, "Tristeza e Alegria na Vida das Girafas", é uma comédia dramática sobre as dores de crescimento, com realização e argumento de Tiago Guedes ("A Herdade") e banda sonora de Manel Cruz.


Prémios e Festivais:
Competição Nacional - IndieLisboa (2019)
Competição Internacional - Guadalajara Festival 2019

Notas da Crítica:

«O mínimo que se pode dizer é que estamos perante um inclassificável objeto de cinema, absolutamente solitário na atual produção portuguesa.» - João Lopes



Seleção de crítica: por João Lopes, no Cinemax-RTP.

«É caso para dizer: se uma girafa incomoda muita gente, um urso incomoda muito mais... Que é como quem diz: está é a história insólita, desconcertante, provocatória e poética, de uma menina (Maria Abreu), de cognome "Girafa", que com o seu urso de peluche (Tonan Quito), vive aquele que será, talvez, o derradeiro capítulo da infância...

Para realizar "Tristeza e Alegria na Vida das Girafas", Tiago Guedes partiu de um espectáculo teatral escrito e encenado por Tiago Rodrigues (Culturgest, 2011) construindo aquilo que talvez possamos designar como uma fábula relutante. Entenda-se: esta é a história de um universo artificioso em que há um urso que não pára de falar (para mais, aplicando o calão, frase sim, frase não...), ao mesmo tempo lembrando-nos sempre a verdade muito cândida dos cenários urbanos (lisboetas) em que tudo acontece.

O mínimo que se pode dizer é que estamos perante um inclassificável objeto de cinema, absolutamente solitário na atual produção portuguesa. E tanto mais quanto será normal que o espectador identifique Tiago Guedes "apenas" através da experiência melodramática de "A Herdade".

Sem recear integrar a teatralidade das situações e dos diálogos, aceitando os riscos e consequências de tal ambivalência expressiva, "Tristeza e Alegria na Vida das Girafas" possui, afinal, uma interrogação visceral sobre as ilusões e as dores (e também a gratificação) de superar as fronteiras da infância. Como em todas as verdadeiras fábulas, essa é uma lição que vale a pena descobrir. »





05 março 2020

Quinta-feira | 21h45 | Cine-Teatro Garrett
Sessão #1504

Sessão reprogramada do dia 13 de fevereiro.

Título original: The Farewell

De: Lulu Wang
Com: Awkwafina, Tzi Ma, Diana Lin
Género: Comédia Dramática
Classificação: M/12
Outros dados: EUA, 2019, 100 min.


SINOPSE
A chinesa Bili cresceu com os pais nos EUA. Quando a família descobre que Nai Nai, a matriarca que ainda vive na China, foi diagnosticada com uma doença terminal e que lhe resta pouco tempo de vida, resolve fazer-lhe uma visita. Uma vez que a velha senhora nada sabe sobre a sua condição, filhos e netos organizam o evento perfeito para uma reunião familiar: um casamento. Contudo, com o sabor amargo da despedida, a jovem Bili tem dificuldades em lidar com a resolução dos adultos de guardar um segredo tão importante da sua adorada Nai Nai. 

Estreada no Festival de Cinema de Sundance, uma comédia dramática vagamente autobiográfica, com assinatura de Lulu Wang ("Posthumous"). 
(fonte: PÚBLICO)

"Chinese people have saying, when people get cancer they die. It's not cancer that kills them, it's the fear." - frase da personagem Jian


Prémios e Festivais:
Festival de Sundance 2019 - Prémio do Público
Globo de Ouro - Melhor Atriz Principal em Comédia ou Musical

The New Yorker ★★★★★
Now Magazine ★★★★★
Daily Mirror ★★★★★
The Times ★★★★★
Vox ★★★★★
Rolling Stone ★★★★
Cinema Blend ★★★★
Time Out ★★★★
The Guardian ★★★★


Notas da Crítica:


«Comove e diverte» - The Times

«Perfeito» - The Herald Tribune

«Autêntico e belíssimo» - Daily Mirror

«Um dos melhores filmes do ano» - The Independent


«Poignant and funny» - The New York Times

«Outstanding» - Vox

«A true crowd-pleaser» - Vanity Fair

«A Knock out of emotional resonance» - The Playlist

«One hell of an introduction for Awkwafina» - The Guardian

«A movie that reminds us of the awesome power of film» - Cinema Blend

«One of the most genuinely moving films I’ve ever seen at the Sundance Film Festival» - Rolling Stone



Seleção de crítica: por Francisco Quintas, em Kubrickamente.
[…]

«Depois daquele que já era um ótimo drama familiar que levantava perguntas morais universais, Lulu Wang vai um pouco além. Da mesma maneira que os filhos são fruto da educação que lhes é dada desde o início, dos erros e dos acertos dos pais, também eles são um resultado das crenças defendidas pela cultura que é escolhida para o seu futuro, que molda inevitavelmente as suas recordações e angústias mais profundas. Independentemente de quando se der a despedida, por mais assustadora que possa parecer ou por maiores que sejam as incertezas e arrependimentos que dela provierem, o que mais deveria importar é fortalecer a lembrança de cada riso, choro, refeição e silêncio que se partilhou ao longo de anos, de décadas. Pois, existirá melhor veículo que a memória para voltar atrás e enterrar os cabelos nos braços de quem se sente saudade?»