terça-feira, 15 de outubro de 2013

Cineclube Octopus - trinta anos de actividade

O Cineclube Octopus celebra este mês trinta anos de actividade – apesar de neste exacto momento, a sua programação regular no auditório da Póvoa de Varzim estar suspensa, mais uma vez. O Cineclube Octopus é e continua a ser um dos mais importantes actores da vida cultural da Póvoa de Varzim. Ao longo dos seus anos de actividade contínua, garantiu a exibição de cinema de qualidade a um ritmo semanal, com projecções com a presença de realizadores e outros convidados, sessões especiais para o Correntes d’Escritas, sessões durante o verão e exibição de clássicos importantes da história do cinema. Durante anos editou o boletim mensal, com textos críticos e informação crucial sobre os filmes a exibir, e continua, na sua página na internet, a publicar informação relevante sobre os filmes que exibe semanalmente.

Graças a uma programação heterogénea e cuidada, o Octopus procura mostrar obras e filmografias variadas, contribuindo para o crescimento dos seus espectadores através do cinema. Com a exibição de documentários sobre várias temáticas, o Cineclube cumpre a sua função de divulgador do conhecimento, enriquecendo aquilo que é o saber histórico e a consciência crítica. Procura agitar pré-conceitos, submetendo os seus espectadores ao choque de perspectivas, gostos, sensibilidades e diferentes formas de ver o Mundo, contribuindo para que no fim de cada filme cada espectador saia enriquecido culturalmente. Oferecendo ao público experiências cinematográficas muito distintas, é regra mostrar os filmes vencedores dos maiores prémios de cinema e dos festivais mais conceituados. É possível ainda visionar os filmes portugueses que o cineclube faz questão de programar, para dar a conhecer o melhor do cinema português, e os diversos talentos nacionais, que não raras vezes obtêm reconhecimento internacional. Exibindo filmes com maior apelo comercial ou de maior independência artística, espera apelar ao sentido criativo, ferramenta tão fundamental tanto nas áreas artísticas como nas acções práticas do dia-a-dia de cada cidadão.

E esta capacidade, o cinema dá-a em dose redobrada quando visionado em grande ecrã, em sala. Qualquer pessoa que percebe a diferença entre ver uma reprodução do Guernica de Picasso num livro ou vê-la ao vivo, que percebe o que distingue viajar de ler revistas de viagens, ou que entende a diferença entre trocar SMS ou ter uma conversa presencial, compreenderá o que diferencia a experiência de cinema em sala ou ver filmes no sofá de casa.

E, felizmente, o Município da Póvoa de Varzim e os seus responsáveis ligados ao pelouro da Cultura percebem essa diferença e têm vindo a garantir as condições para que o Cineclube Octopus possa desempenhar o seu papel na Póvoa. No entanto, nem sempre tem sido fácil. Por um lado, a deslocação das sessões para o auditório Municipal (após o encerramento do Cinema Santa Clara) afastou imediatamente parte do público, devido à sua localização e contexto periférico em relação ao centro da cidade, que dificultam o acto social que é ir a uma sessão de Cinema. Por outro lado, os sucessivos problemas técnicos, ora de som ora de imagem, cuja reparação demorada obrigam a períodos de interregno das sessões regulares, impossibilitam assim a fidelização de novos públicos – como presentemente, em que o Cineclube se vê confrontado com a avaria do projector de película e videoprojector. Acrescem ainda as dificuldades de equilíbrio de tesouraria, motivado pela irregularidade dos apoios da Câmara Municipal, fundamentais para o normal funcionamento do Cineclube.

Esta tem sido a dura realidade de sobrevivência do Octopus nos últimos anos, só superado graças ao esforço voluntarioso de várias pessoas que têm passado pelos órgãos directivos do Cineclube, e amigos próximos. Neste percurso do cineclube, aproxima-se uma etapa decisiva, com a possibilidade de o Cineclube mudar-se para o renovado Garrett. Demasiadas vezes adiada, parece que finalmente será concluída a nova Casa da Cultura que a Póvoa tanto precisa para orgulhosamente se poder afirmar como “Cidade da Cultura e do Lazer”. Na sua prometida nova casa, o Cineclube irá com certeza ganhar novo fôlego e outras dinâmicas que permitirá chegar a mais e novos públicos.

Espera-se, que na próxima fase da vida do Octopus, diminuam as dificuldades e obstáculos para que, em parceria com o Município, o Cineclube possa cumprir o desígnio de levar a todos os poveiros novas histórias e novas imagens, que permitam aprender, sonhar, crescer e tornar os espectadores das sessões do Cineclube em cidadãos mais ricos do que aqueles que continuam a preferir ficar em casa. Existe cinema na Póvoa. É preciso que exista público interessado em que ele continue, e que este público manifeste o seu apoio, com a sua presença nas sessões do Cineclube, para este continuar a escrever a sua história como parte importante da cultura na nossa cidade.

a direcção do Cineblube Octopus

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Programação suspensa

Infelizmente o Cineclube Octopus é obrigado a suspender a exibição regular de filmes, já que não estão reunidas as condições técnicas de exibição devido a uma avaria no projector do auditório. Assim que esta questão for resolvida retomaremos a programação normal, mas entretanto como não há data prevista para a resolução do problema, temos que suspender a programação por período indeterminado. Esperamos regressar em breve.

A direcção do Cineclube Octopus